08 de Março: DIA INTERNACIONAL DA MULHER
“Sem a Mulher não há Harmonia no Mundo” (Papa Francisco)

“Mulher, mulher, do barro de que você foi gerada me veio inspiração...” Assim já declamava o poeta tempos atrás. Hoje, minha difícil (porém bela) missão é prestar homenagem a elas que, em sua maioria, são meu braço direito no cotidiano pastoral. Então, um dia apenas é muito pouco para discorrer sobre elas; um dia apenas é muito pouco para chamar de Dia da Mulher. Porque, desde que somos gerados, todos os dias elas nos brindam com sua ternura, seu amor, sua garra, sua coragem para enfrentar esse mundo de violência e desamor que aí está!

Sua força espiritual vem justamente desse jeito especial de um ser que não perde sua identidade feminina diante da necessidade em ser forte; a mulher não precisa se embrutecer para se mostrar guerreira nas dificuldades da vida; ela é uma leoa na defesa de tudo que lhe é mais caro!

O Papa Paulo VI dizia que “o homem tem o primado da cabeça; a mulher tem o do coração”. Isso não significa que mulheres não pensam e homens não sentem, mas que um completa o outro no seu modo de pensar e sentir o mundo, no seu agir cristão, pois as qualidades masculinas e as femininas precisam umas das outras e se equivalem em dignidade humana!

Na Bíblia, temos muitos exemplos de mulheres fortes, protagonistas de seu tempo, que fizeram a diferença quando o papel que lhes cabia, à época, era ser esposa e mãe. Mulheres que se destacaram em um universo dominado por homens e mostraram que Deus usa todos para cumprir Seus propósitos.

Como não lembrar de Sara, mulher de Abraão, que deixou tudo para trás para com ele começar a formar o numeroso e incontável Povo de Deus! Ou Miriã que, mesmo em meio a uma vida sofrida na escravidão do Egito, foi astuta na salvação de seu irmão Moisés; por causa de sua ação, ele foi criado como príncipe egípcio e, posteriormente, tornou-se libertador de seu povo! Também a profetiza Débora, juíza decidida e corajosa. Ou ainda Ana, mãe de Samuel; mulher de oração e fiel ao Senhor que criou seu filho e fez dele um grande profeta!

Falar da mulher é falar da maior de todas, a Escolhida para se cumprir a plenitude da Salvação de toda a humanidade; aquela que gerou, sob a ação do Santo Espírito, o Filho de Deus, o Deus humano e divino, o Libertador, Jesus Cristo: Maria! Sua humildade nunca foi sinônimo de fraqueza, pois soube ser a Mulher da Esperança até a última gota de sangue que seu Filho suspirou. Por isso mesmo pode contemplar a Sua glória!

Hoje, temos muitos exemplos de mulheres a quem podemos render homenagens, que souberam estar à frente de seu tempo, no protagonismo para um mundo mais justo e solidário. Aqui, quero registrar duas delas:
A Dra. Zilda Arns, irmã do Cardeal Dom Paulo Evaristo Arns, médica pediatra e sanitarista que fundou a Pastoral da Criança, obra social de primeira grandeza da nossa Igreja no Brasil e que levou solidariedade e conhecimento sobre saúde, nutrição, educação e cidadania para as comunidades mais pobres, criando condições para que elas se tornem protagonistas de sua própria transformação social, reduzindo drasticamente a mortalidade infantil.

Outro nome que me vem ao coração nessa homenagem às mulheres é o da queridíssima Irmã Dulce – o Anjo Bom da Bahia; o que não tinha de tamanho, era gigante no coração e na coragem de enfrentar o mundo em favor dos mais excluídos. Mesmo com saúde bastante frágil, pautou sua vida na entrega total à caridade e amor ao próximo. Fundou várias instituições como o Hospital Santo Antônio, construído no lugar do galinheiro do Convento Santo Antônio, em Salvador, e também criou uma das mais importantes e respeitadas instituições de filantropia do país: as Obras Sociais Irmã Dulce.

Nesse Ano do Laicato que estamos vivenciando, deixo aqui meu agradecimento, todo o meu afeto e minhas orações por cada uma das mulheres de nossa comunidade de fé que me ajudam na missão de conduzir o Povo de Deus no caminho da Paz e do Bem. Vocês são grande benção na vida da Igreja! Que não se intimidem diante das dificuldades e que sigam firmes no protagonismo a vocês destinados: serem mulheres cristãs, tementes a Deus, amorosas e fortes, que mostram o rosto materno do Pai no cotidiano de suas missões! Deus lhes pague e Maria cubra a cada uma com seu manto de ternura e amor!!!

Frei Paulo Henrique Romêro
Pároco e Reitor