NATAL JESUS

“Hoje, na cidade de Davi, nasceu para vocês um Salvador, que é o Cristo Senhor” (cf. Lc 2,11). A compreensão que os primeiros cristãos tiveram do nascimento de Jesus é uma releitura partindo da experiência da sua Páscoa. O título cristológico, Cristo Senhor, só foi dado a Jesus após sua Paixão, Morte e Ressurreição. Podemos então afirmar que, foi a partir da Páscoa que as comunidades cristãs entenderam a importância do nascimento de Jesus. O presépio, neste sentido, é a revelação de Deus feito Menino reclinado na manjedoura, que nasceu pobre entre os pobres.

O Evangelho segundo Lucas, que será proclamado na Vigília do Natal, deixa evidente que os pastores, que naquela noite estavam no campo, foram os primeiros a receber o anúncio do nascimento do Salvador. Entre os pobres, Deus escolheu os mais simples para noticiar o evento do nascimento de seu Filho. A opção definitiva de Deus de iniciar seu reinado de amor, partindo dos mais pequeninos revela que o nosso Deus não costuma fazer estardalhaços, nem apoteóticas exibições, não, Ele nasce com um choro de criança, ilumina a história da humanidade na fragilidade dos pequeninos. Sim, o nosso Deus prefere realizar seu plano de amor a partir de corações simples e sinceros. Corações soberbos e arrogantes costumam ser indiferentes ao choro, são incapazes da compaixão, não se alegram com as pequenas surpresas.

O Natal de Jesus é uma comemoração religiosa e, por isso, só faz sentido se for celebrada com fé. A fé cristã faz festa, porque em Jesus nasce a esperança de uma vida plena de significado, toda orientada para Deus. Por isso, só faz sentido celebrar o Natal, compreendendo que Jesus continua nascendo em corações generosos, transformados pelo amor. A simplicidade do nascimento de Jesus nos leva a renunciar à futilidade e ao supérfluo, por exemplo, das abastadas ceias de natal, recuperando o essencial da fé cristã, uma reunião de amor entre pessoas que se unem na edificação de uma sociedade justa e comprometida com a construção da paz.

Em tempos de crise política e econômica, como a que estamos enfrentando, enfraquecendo o comércio, empresas abrindo falência e o aumento do número de desempregados, o Natal de Jesus será uma excelente oportunidade para celebrar na simplicidade, em espírito de solidariedade e partilha aproximando-nos realmente do seu Presépio.

Recuperar a alegria de celebrar o Natal de Jesus em nossos dias requer, de cada cristão, um profundo desejo de identificar-se com Ele. Creio que meditar sobre o seu nascimento, quem sabe visitando o Presépio de alguma Igreja, pode ser a oportunidade de vivenciar o mistério da Encarnação do Filho de Deus, mas, sobretudo, despertar interiormente a disposição para um verdadeiro e renovado entusiasmo.

Que o Natal de Jesus, celebrado como expressão de amor, tenha a coragem de desarmar o coração e distribuir generosamente sua alegria em sorrisos e abraços. Não deixe que nada, nem ninguém, te impeçam de viver o Natal. Meu maior desejo, a você, meu irmão e minha irmã, é que Jesus nasça em seu coração, abençoe o seu lar e te presentei com a paz.

Feliz e santo Natal!

Frei Claudemir Vialli.
Pároco